Moacir



~ Thursday, March 07, 2002
 
Hoje vou deixar pra vcs um pequeno trecho de minha autoria.
Esse texto, eu o escrevi um dia quando voltei de uma balada.
Não foram poucas as vezes em que eu saí num sábado à noite pra uma danceteria, me diverti bastante , mas ao chegar em casa me deparei com uma espécie de tristeza. Não era uma tristeza minha, de fato eu estava feliz, mas estava tambem triste por ver tantas coisas erradas, tantos jovens se degradando, se desvalorizando sem muitas vezes ter sequer noção disso...
Bem vou deixá-los com o meu texto:


Menina

Menina
Que olha, que vê, que não pensa
As luzes brilhantes parecem tão belas
Dá até pra esquecer a apatia
Que da vida tomou conta

Pessoas (talvez coisas..)
Por ela passam tão logo
Sepultando ilusões
Gosto estranho na boca..

Luz forte que cega e vicia
Refúgio de quem nada encontrou
De quem sequer sabe o que vale buscar

Enfim a noite amanhece
E a luz da noite se apaga
Os olhos pesados
Cansados da noite
Não vêem no dia
O que tanto buscavam
Seja o que for
Deixa pra lá
A luz forte e cega da noite
Vai voltar a brilhar...
~ Wednesday, March 06, 2002
 
Um outro trechinho de minha autoria:


Caminho

Um dia... e tudo que sabemos está mudado!
Seculos e história soterrados pelas novidades
Pelo descontrole de um turbilhão de ciencias
Que nossa razão não consegue governar

Onde foi que perdemos o passo do descobrir?
Que diria o grande filósofo?
Perdemos o método? A paixão?

As redeas do destino não nos cabem em nossa arrogancia
O metodo, as paixões, meditações perderam seu lugar na história
Caminhamos fortes e decididos à penumbra moral e eterna...
~ Tuesday, March 05, 2002
 
Vou aqui colocar uma letra de um grande compositor que admiro muito: Osvaldo Montenegro.
É uma letra especial, para uma pessoa especial.

Onde vá
Onde quer que vá
Leva o coração feliz
Toca a flauta da alegria
Como doce menestrel

Onde vá
Onde quer que vá
Vá pra ser estrela
As coisas se transformam
Isso não é bom nem mal
E onde quer que eu esteja
O nosso amor tem brilho
Vou ver o teu sinal...

~ Sunday, March 03, 2002
 
Faz tempo que eu não escrevo nada.. É que a minha vida anda meio corrida ultimamente.. Mas longe de mim a idéia de deixar o meu blog às moscas! Sempre que der irei escrever! Hoje, por exemplo, um domingo à noite sem nada melhor pra fazer me motivou a escrever algo..
Bom, vou falar um pouco sobre umas idéias que surgiram um dia quando eu estava em uma balada conversando com uma amiga minha (um abraço, Alessandra!):
Eu lembro que nesse dia a gente tava conversando e o assunto recaiu em um tema: Amor.
A pergunta que logo surgiu era: Se existe uma pessoa certa pra alguem, como ela deve ser? Que virtudes devemos buscar na pessoa amada?
Na minha opinião, hoje em dia as pessoas possuem uma idéia totalmente deturpada sobre o que elas devem buscar em uma relação amorosa homem-mulher. Deixa eu tentar explicar melhor:
Imaginem que eu escolha uma pessoa na rua e pergunte: Descreva a pessoa que vc considera ideal.
A grande maioria das pessoas responderá coisas do tipo: Tem que ser uma pessoa, legal, bonita, simpática, de bom papo, interessante, rica, influente, sei lá.. a pessoa de cara vai falar um monte de qualidades que ela espera encontrar na pessoa amada. É com isso que eu não concordo!
No meu modo de ver, o amor é maior que todos os outros sentimentos justamente por ser algo que não depende de nada, não depende nem das virtudes da pessoa amada...
Digo isso, porque você pode me descrever agora a pessoa ideal. É possível que um dia vc encontre, de fato, essa pessoa e nunca venha a amá-la! Isso acontece porque o amor não depende de virtude alguma!!! O amor excede inclusive a nossa compreensão do que é virtude!
Do mesmo modo é possível que vc conheça, um dia, alguem que não possua metade das virtudes mencionadas por ti, e apesar disso haja amor, o que no caso anterior da pessoa tida como ideal, não acontecia.
Então como explicar isso? Como reconhecer a pessoa ideal???
Gosto de pensar que o amor verdadeiro não é, em nada, egoísta. Imaginem que eu encontre uma pessoa que se encaixe num perfil de virtudes que eu busco, e que eu me encaixe no perfil dela. Nós ficamos juntos, eu me beneficio das virtudes que ela possui e ela se beneficia das virtudes que tenho. Acabei de descrever um relacionamento que seria o sonho de muitos, mas garanto que o amor verdadeiro é muito mais que isso.
O erro, está em tentar encontrar a virtude em alguem. Quando na verdade deveríamos encontrar alguem que junto conosco fosse capaz de buscar as virtudes.
Percebam a mudança de paradigma: Todos buscamos a virtude! Mas a virtude não necessariamente está na pessoa amada!
A pessoa amada é justamente aquela que, junto contigo, é capaz de buscar e encontrar a virtude!!!! Mesmo que essa pessoa não as tenha! Com isso, tudo muda de figura! O amor deixa de ser uma simples troca de virtudes entre os dois amantes, e passa a ser um verdadeiro ato de busca e de posterior encontro das virtudes desejadas! Deixa de ser algo estático, e passa a ser algo vivo, dinâmico.
Deixa de ser um simples dar e receber, para ser um constante descobrir, que nos enriquece e nos faz crescer, que nos torna mais e mais virtuosos à medida que vamos encontrando as virtudes buscadas. Possibilita o nosso crescimento como pessoa e como ser humano. Nos faz tocar de leve, no etéreo, no divino...
Sendo assim, não procuro virtudes na pessoa amada. Procuro apenas alguem que, junto comigo, tenha coragem de buscar as coisas que realmente importam, as verdadeiras virtudes...
Cara! Eu acho que dessa vez eu fui muito confuso!!! Acho que ninguem vai conseguir sequer entender o que eu escrevi!!!
Bom, já escrevi mesmo... fazer o quê?
Vou deixar, então, um pedacinho de algo que escrevi, que tem a ver com o asunto que eu discuti:


O Meu Silêncio

O meu silêncio
Simples e sincero
Vai sussurrar no teu ouvido
O que eu não souber te dizer
E vai te fazer ver
De um modo encantador
E diferente
Que o que tanto você procura
Eu ainda não tenho
Mas, juntos, vamos encontrar...

~ Saturday, February 23, 2002
 
Olá a todos!
Estou colocando esta mensagem só pra avisar que ultimamente eu ando bastante ocupado, então não tem me sobrado muito tempo para escrever novas mensagens, crônicas, poesias, etc..
Mas prometo que logo que me sobrar um tempinho eu volto a colocar novas "coisas", ok?
Um grande abraço!
Moacir
~ Sunday, February 17, 2002
 
Bom, colocarei aqui apenas alguns pensamentos meio desconexos que andam povoando a minha cabeça:

Eu andei pensando sobre muitos cantores, poetas, filósofos, artistas de um modo geral, que foram simplesmente brilhantes em suas áreas mas que tiveram fins trágicos, que praticamente acabaram com as suas próprias vidas.
Eu cheguei a pensar em vários nomes mas vou citar um em especial.
Pra mim o Cazuza foi um dos maiores em termos de música nacional, o que ele escreveu sempre me acertou em cheio, ele era brilhante!
Um dia eu vi numa espécie de documentário, um amigo pessoal do Cazuza dizendo que se ele não morresse de Aids, certamente morreria de outra coisa: talvez overdose, talvez um coma em função da ingestão excessiva de álcool, ou até mesmo um acidente de carro. Ele completou dizendo que o Cazuza tinha uma espécie de personalidade auto-destrutiva que de qualquer modo não o deixaria viver muito tempo.
A pergunta que me ocorre é: Por quê? Porque essas pessoas brilhantes praticamente acabam com suas vidas?
Pra tentar responder a essa pergunta eu olhei pra mim (não que eu me considere brilhante como essas pessoas!).
Notei que em momentos que estou com a sensibilidade mais apurada, se tornam muito mais fortes em mim sentimentos de inadequação, pessimismo, e até um pouco de depressão.
Eu acho que a chave da questão está nesta palavra: sensibilidade.
Pensando bem, a sensibilidade é realmente um presente divino, mas é também um labirinto repleto de perigos.
A pessoa sensível enxerga claro o que outros tem dificuldade em ver, acredito que a pessoa sensível enxerga as coisas mais próximas do que elas realmente são. Aí se encontra a beleza e o perigo.
Ver as coisas como elas realmente são é fascinante e perigoso, e digo isto justamente porque enxergar as coisas assim tão claras na maioria das vezes não é nada agradável. Ver esse mundo desregrado e louco pode nos deixar ainda mais loucos.
Entendo, então, que essas pessoas sensíveis sentem uma grande sensação de que está tudo errado, uma espécie de desprezo (que se reflete na obra do artista através de criticas e ironias) por tudo que está fora de seu lugar.
Acho que esse conjunto de sensaçoes e pensamentos levados em um grau alto podem levar a pessoa a um processo psicológico até de auto-punição em que elas direcionam pra si próprias a frustração que elas tem de viver num mundo como este.

Uma vez escrevi num poeminha o seguinte verso:
Peço a Deus sensibilidade.

Concluo meus pensamentos corrigindo este verso:
Peço a Deus sensibilidade.
Mas não sem antes pedir força.

Termino dizendo que devemos sim buscar a sensibilidade que é uma das virtudes mais belas, mas devemos tambem buscar sermos fortes, pois é preciso força para ver as coisas como elas são, e mesmo assim, com vigor e coragem continuar seguindo em frente...
Desculpem minha falta de habilidade em expor o que quero!

Deixo, então, um trechinho de minha autoria:

"I like Math.
I don't like to cheat on others.
I don't like others cheating on me.
Dear Math,
You're so simple, so pure
so easy when compared to life."
~ Friday, February 15, 2002
 
Ontem eu à noite tava meio sem sono.
Em geral quando não me dá sono eu toco violão, leio ou até mesmo escrevo.
Ontem eu acabei pegando um papel e escrevendo umas abobrinhas!
Então vou mostrar o que saiu (não liga não se tiver meio feio):



Devaneios


A noite sussurra ao vento
as notas de uma canção qualquer
E eu, não mais que testemunha
rabisco versos,
cravo idéias,
nas costas deste irresponsável
chamado tempo.

A luz forte cega os olhos
Sempre achei isso poético,
Ver Narciso olhando as águas
Ou Midas em seu palácio dourado
Ou mesmo me ver
em minha arrogância
Juntando cacos
Do que um dia foi história
E chamando canção

Por isso te escrevo,
Sem querer ser forte
Só procuro quem se importe
Quem ainda tem coragem
De olhar pro céu...


Tô pensando... talvez até algum dia eu tente transformar este texto em música...
Acho que essa última estrofe daria um refrão legal.. sei lá...
Bom, deixo pra vcs uma frase maravilhosa desta grande poetisa disfarçada de compositora, Jewel:

"The things you fear
Are undefeatable
Not by their nature
But by your approach"






Powered By Blogger TM